07.AGO

O oráculo chega à sala de aula

O oráculo chega à sala de aula

Sala de aula: professor falando e alunos quietos, parados, estáticos, prestando a atenção ao mestre ou então copiando o conteúdo do quadro negro em seus cadernos.

A cena, em alguns casos, ainda pode acontecer em alguns locais, mas para uma parte significativa das instituições de ensino isso é coisa do passado. E o Google quer ajudar a tornar isso uma memória cada vez mais remota.

Atualmente, em muitos casos, a aula é “dada” com o professor falando e uma boa parte dos alunos passando o dedo na tela dos seus celulares ou tablets. Seja fugindo da explicação ou pesquisando algo sobre o assunto, o fato é que a tecnologia por vezes faz com que o professor sinta que está ali à toa.

Em alguns casos prender a atenção de um aluno que está acostumado às velozes e interativas mudanças é algo caro aos educadores. Então, qual seria a solução?

Entrar nos celulares dos alunos!

É isso que o Google se propõe a fazer trazendo aos professores uma forma de tornar as aulas mais interativas e tecnológicas.

Por meio de uma ferramenta chamada “Google Sala de Aula” o monstro da tecnologia permite que alguns dos seus instrumentos já conhecidos, como o Gmail e o Drive, sejam usados com o objetivo de auxiliar o professor a organizar suas aulas e estar em total sintonia com os discentes.

Utilizando o Google Sala de Aula é possível montar salas on-line, disponibilizar materiais, enviar e receber trabalhos, se comunicar por meio de avisos e até mesmo fazer vídeos e conferências em que os alunos podem tirar suas dúvidas e professores oferecerem explicações extraclasse. A ideia de criar essa funcionalidade, disponibilizada recentemente, é uma das partes do serviço conhecido como ”Google Apps for Education”, disponível em 42 idiomas e que conta com mais de 100 mil educadores de 47 países.

Para fazer uso da nova ferramenta, caso ainda não participe do Google Apps for Education, é possível ter acesso por meio da página do projeto. As escolas públicas ou instituições de educação sem fins lucrativos podem se inscrever sem pagar pelo serviço, já as escolas particulares precisam arcar com uma taxa para que possam ter acesso. Para os professores particulares é preciso comprovar o vínculo com alguma instituição de ensino.

Para que possam desfrutar da ferramenta da melhor maneira possível o Google irá disponibilizar até o final do mês uma cartilha que explica aos professores as diversas formas como o serviço pode ser utilizado.

O que você acha sobre isso?

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Soluções